Na tarde desta terça-feira, 25 de junho, mais precisamente ás 16h:25min, foi  dado início a última partida da semifinal da taça cidade sub-20 de Peritoró.

Paysandu e Bahia, disputaram a última vaga para a grande final do campeonato, jogo em que o Paysandu ganhou de 4 a 1, de virada.

Paysandu

Bahia

Trio de arbitragem e os capitães

Em lance na pequena área, a equipe do Bahia abriu o placar, o resultado manteve-se até o final do primeiro tempo.

No segundo tempo, o time do Paysandu voltou mais agressivo, não demorou muito e logo chegaram ao empate. O gol aconteceu em uma grotesca falha do zagueiro do Bahia, Thiago, atacante do Paysandu, aproveitou a falha e concluiu para o gol. A virada estava perto, pois o time de Thiago continuava a pressionar, Anaílson, sofreu pênalti, em jogada individual  pela direita, Thiago, cobrou e converteu,  virando o jogo para 2 a 1. Logo depois, novamente Thiago, ganhou do zagueiro e  do goleiro, dominou a bola no peito e depois só empurrou para as redes, ampliando o marcador. Anaílson, marcou o quarto gol do Paysandu, dando números finais a partida.  

Embora, o jogador Thiago tenha marcado três gols, mais, a participação de  ANAÍLSON na partida foi decisiva. Ele saiu do banco e incendiou o jogo, sofreu pênalti e ainda fez um gol. 

A grande final será entre VILA REAL E PAYSANDU, domingo, 30 de junho, a partir das 9h, no campo do chorô. 

 

Do Domingo Costa 

O ‘paladino da honestidade’, ‘homem dos bons costumes’ e ‘defensor da moralidade’, prefeito de São Mateus, Miltinho Aragão (PSB), selou dois contratos com uma empresa de fachada para prestação de serviços na sua gestão.

No local, nem sinal da Construtura RM…

A empresa Raisa Marques Silva, ou simplesmente, Construtora RM, não existe no local de registro junto a Receita Federal, Rodovia BR 316, nº 2, Centro, município de Bacabal – MA.

Blog do Domingos Costa foi até o local e identificou que a Raisa Marques Silva-ME possui endereço de ‘mentirinha’, no local, nenhum sinal da existência de construtora, tudo apenas no papel.

Nos dois contratos com a empresa de fachada o dinheiro é originário do Governo Federal, mais precisamente do Ministério das Cidades via Caixa Econômica Federal.

O primeiro, contrato número 0705001/2018, com finalidade de execução de serviços de pavimentação asfáltica e drenagem superficial na sede do município de São Mateus, conforme repasse nº 834534/2016/ do Ministério das Cidades/Caixa, o valor é de R$ 246.558,00 (duzentos e quarenta e seis mil e quinhentos e ciquenta  e oito reais).

E no segundo, contrato 20180098/2018, com a mesma finalidade o valor é bem mais vantajoso R$ 1.937.325,00 ( um milhão novecentos e trinta e sete mil, trezentos e vinte e cinco reais), conforme repasse n° 828985/2016.

O número cadastrado no CNPJ da empresa é o (99) 3621-3015. O Blog do DC identificou que pertence à A M V DE ALBUQUERQUE, que atua no ramo de atividade Artigos de Crochê e localiza-se no endereço Rua Magalhães Almeida 375, no bairro Centro, na cidade de Bacabal- MA.

– Outro lado

O Blog buscou contato com a prefeitura afim de um posicionamento sobre o caso e se, efetivamente, o objetivo dos contratos foram executados, mas ninguém se habilitou a falar a respeito.

Na sessão plenária desta terça-feira (25), o deputado Adelmo Soares (PCdoB) destacou os avanços da agricultura familiar no Maranhão e lembrou de sua luta, quando na função de secretário de Estado da Agricultura, em 2014, para implantar o “Sisteminha Embrapa”, projeto que conheceu em uma das Feiras de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritecs), no município de Caxias.

Ele lembrou de seu entusiasmo em relação ao projeto, que chamou sua atenção por ser capaz de transformar sobremaneira a vida do homem do campo. “Peguei o folder e, no primeiro encontro com o governador Flávio Dino (PCdoB), mostrei o ‘Sistema Integrado Alternativo para a Produção de Alimentos’. O governador olhou, abriu o folder e disse que aquele era o caminho”.

Técnicos no Piauí

Adelmo Soares recordou que, à época, o governador queria implantar o projeto nos municípios inclusos no programa “Mais IDH”, cerca de 30. “Mas como, se nós não tínhamos assistência técnica na época? Então, contratamos 90 técnicos, três para cada um dos municípios do ‘Mais IDH’, pois muitos deles nem tinham assistência técnica. Eles foram divididos em duas equipes e descolados para o Piauí, para aprender como se implantava o sistema”.

O parlamentar revelou que se emocionava quando recebia centenas de fotos, enviadas ao seu celular de ponta a ponta do Maranhão, com sistemas implantados. “Maior a felicidade e o orgulho quando chegávamos nos municípios e lá estavam as tilápias, sendo oferecidas com as verduras e as frutas. O mesmo quando víamos a produção de milho. E, assim, começamos a testemunhar essa transformação. Evidentemente que isso não poderia resolver a situação de todos. Além disso, tivemos um golpe em nível nacional que nos tirou o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Lembro-me muito bem que, à época, lutávamos para ampliar a meta e implantar acima de três mil ‘Sisteminhas’”.

Conhecimento repassado

O deputado disse ainda que o governo conseguiu, junto aos Ministérios do Desenvolvimento Social e Agrário, mais seis mil “Sisteminhas”, e esses chegaram a nove mil, instalados em todo o Maranhão. Contou também que, na semana passada, ao visitar um agricultor no município de Belágua, primeira cidade a receber o sistema, pôde observar que ele realmente vingou e sua importância. “Hoje, esse conhecimento é transmitido para outras pessoas em São Luís, na região da Mata e em São José de Ribamar. O Abdon da Mata, conhecidíssimo Abdon da Mata, por exemplo, participou ativamente das ações do governo. Ele estava lá implantando um ‘Sisteminha’. Hoje, é um dos pequenos agricultores com quatro hectares de terra com a maior produção no nosso município”.

Antes de finalizar, o deputado mencionou uma reportagem veiculada, no último domingo, durante o programa Globo Rural, da Rede Globo, que exibiu o “Sisteminha” de Urbano Santos. “Uma ideia que não é minha, mas que trouxemos para o Maranhão com a ajuda de Luís Guilherme, grande precursor e que ajudou muito na interlocução junto à Embrapa. Agradeço à Embrapa Cocais e à Embrapa Meio Norte, que também foram parceiras nesse projeto. Deram instruções aos nossos técnicos e permitiram que eles trouxessem esse conhecimento para o nosso estado”.

A Câmara ds Vereadores de Alto Alegre reprovou as contas do ex-prefeito Liorne Branco de Almeida Junior referentes ao exercício de 2009.

 

Segundo a Casa Legislativa, o ex-gestor deixou de enviar cerca de 15 documentos ao Tribunal de Contas do Estado dentro do prazo.

A reprovação das contas foi votada pela maioria dos vereadores. Apenas 3 parlamentares votaram contra.

Assista:

O ARRAIAL SOLIDÁRIO VEM Q TEM, toda noite tem atração para o público. 

Dança portuguesa, quadrilhas,  tem animado o arraial, além de apresentações musicais. Veja ás imagens.

Dr. Júnior, está sempre prestigiando as apresentações. As quadrilhas que se apresentaram estão concorrendo ao prêmio de mil quinhentos reais, sendo mil para a primeira colocada  e 500 para a segunda. 

 

O sobrinho da colunista social e jornalista Wilma Wicky França, Bruno Rafael, foi encontrado hoje (24) morto em sua residência no Sítio Natureza. A família informa que a namorada da vítima teria dito que ele fora sequestrado.

Segundo familiares, domingo(23), foi o aniversário da namorada e comemorado na casa de Bruno. Depois disso ela teria comunicado aos familiares que o namorado teria sido sequestrado. Comentário ainda que um homem teria entrado na casa do sobrinho da colunista, tentado estuprar a namorada e o levado como refém, no que não acreditam os parentes.

Abalada com a morte do sobrinho, a colunista Wilma França procurou atendimento médico no hospital Socorrão II, ela reclama de não ser atendida enquanto duas médicas, segundo ela, não faziam nada. Confira o desabafo da jornalista:

 

 

Do  Blog do Luis Cardoso 

No Maranhão, a agricultura familiar compreende boa parte da economia do Estado, além de ser fonte de renda para milhares de famílias da zona rural. Com o objetivo de fortalecer ainda mais a agricultura, o secretário da SAF, Júlio César Mendonça e o Adjunto, Mávio Rocha, receberam na tarde desta segunda-feira o diretor de Relações Institucionais da CEMAR, José Jorge  Soares para firmar parcerias na execução de diversas ações que necessitam de energia.

Júlio César Mendonça, Mávio Rocha e José Jorge  Soares

Instalação de Sistema Simplificado de Abastecimento de Água, kits de irrigação, agroindústrias e diversas outras ações_ precisam de energia para seu pleno funcionamento. Dessa forma, ficou evidente que a parceria entre a SAF e a CEMAR é fundamental para levar dignidade e qualidade de vida para os agricultores familiares do Estado.

De O Estado/Gilberto Leda

O decreto presidencial 9.785/2019 que flexibiliza o porte de armas no país e que foi derrubado pelo Senado da República na última terça-feira, divide a bancada maranhense na Câmara Federal. A Casa apreciará sete projetos de decreto legislativo aprovados no Senado e que tornaram nula a matéria do presidente Jair Bolsonaro (PSL). A votação deve provocar polêmica no Parlamento.

O Estado ouviu oito deputados federais maranhenses. Dois destes se posicionaram de forma favorável ao tema. Outros dois explicaram rejeitar parte do texto apresentado pelo Palácio do Planalto e defenderam a reformulação do conteúdo do decreto sob forma de projeto de lei. Dois parlamentares asseguraram voto contrário ao decreto e outros dois justificaram a necessidade de ampliar as discussões.

O deputado pastor Gildenemyr (PMN) apoia a flexibilização do porte de armas. “Eu votarei a favor do decreto, porque entendo que não há qualquer intenção do governo de armar a população como algumas pessoas tentam passar essa ideia. Não é. Pelo que analisei, as regras para posse e porte de arma continuam existindo, mas, em caso bem específicos, a rigidez e a burocracia ficam menores”, disse.

Aluisio Mendes (Podemos) também afirmou ser favorável à flexibilização, mas ponderou acreditar que o tema será rejeitado pela Casa.

“Sou favorável ao decreto e ao direito de o cidadão de bem ter uma arma na sua casa, no seu comércio, na sua propriedade rural. Entendo também que há uma grande resistência da Casa. Eu pessoalmente votarei a favor do decreto, mas percebo que ele será derrubado também na Câmara Federal. Sendo assim, vamos trabalhar num projeto de lei que abranja as mesmas garantias dadas no decreto, para que ele possa tramitar na Câmara e no Senado”, explicou.

O coordenador da bancada maranhense no Congresso Nacional, deputado Juscelino Filho (DEM), também disse ser favorável ao porte de armas, mas condenou a forma com a qual o tema foi proposto, sem discussão no Legislativo.

“Sou a favor de flexibilizar o porte para algumas situações, acho que o decreto exagerou, e flexibilizou demais. Acho também que essa flexibilização não deve ser por decreto e sim por projetos de lei”, justificou.

O deputado Edilázio Júnior (PSD) tem posicionamento semelhante. Ele contestou alguns aspectos do decreto e disse que, da forma como está, o decreto deve ser rejeitado.

“Na verdade eu sou favorável a posse de armas pelo cidadão, desde que sejam cumpridos, óbvio, todos aqueles requisitos: certidões, teste psicotécnico, curso de tiro, enfim. E com relação ao porte, somente com a devida comprovação de necessidade. Então em relação ao decreto do presidente Bolsonaro, eu sou contra a alguns pontos, como por exemplo a quantidade de munições que podem ser adquiridas, o número de categorias que podem obter o porte de armas. O decreto é muito brando, eu quero que seja algo mais restrito. […] O decreto da forma como está eu sou contrário, completou.

Contrários

Os deputados João Marcelo (MDB) e Márcio Jerry (PCdoB), rechaçaram a flexibilização do porte de armas. Eles enfatizaram voto contrário à matéria.

“Sempre fui contra armar a população. Continuo contra. Eu sou contra o porte de armas pelo cidadão comum por vários motivos: 1, Segurança Pública é responsabilidade dos governos; 2, nos lares onde as famílias têm crianças e adolescentes pode ser que aconteça o uso acidental de uma arma por estas, trazendo consequências terríveis à família; 3, em um trânsito violento que enfrentamos diariamente, um cidadão de bem poderá se tornar alvo de outro cidadão portando arma; 4, nós, brasileiros, nos desacostumamos de usar armas nos centros urbanos. Voltar a usar arma seria um retrocesso. É uma maneira de estimular a violência, uma agressividade que já não temos mais. O cidadão comum não pode ser responsável pela sua própria segurança, e sim os governos estaduais e federal”, justificou João Marcelo.

Jerry resumiu. “Votarei contra o decreto presidencial que não serve para o efetivo e eficaz combate à violência. A decisão do Senado reparou um grave erro do governo federal”, disse.

Discussão

Eduardo Braide (PMN) e Pedro Lucas (PTB), defenderam maior discussão sobre o tema na Casa.

“A flexibilização do porte de armas é um tema controverso e que atinge diretamente a vida das pessoas. Por isso, deve ser algo amplamente debatido. Não podemos esquecer que a segurança pública é responsabilidade do Estado, e portanto não pode ser atribuída aos cidadãos”, defendeu, Braide.

“Primeiramente vou reunir a bancada na terça-feira, que agora conta com 12 deputados com a chegada do deputad Paes Landim. Depois desse posicionamento, irei levar aos líderes do bloco do qual fazemos parte”, finalizou.

1 2 3 506