Browsing: Mundo

Pelas ruas da cidade onde vive, ela é conhecida por nunca ter passado a impressão de que havia algo errado, apesar do problema gigante .

O detalhe é que a idosa chinesa passou todos esses anos carregando seus órgãos dentro de um saco plástico. Pelas ruas da cidade onde vive, ela é conhecida por nunca ter passado a impressão de que havia algo errado, apesar do problema gigante.

Tudo começou ainda em 1971, quando Hubei precisou passar por uma cirurgia complicada no intestino. Um erro médico fez com que a cicatrização acontecesse de maneira errada e acabasse formando uma aderência abdominal.

Esse tipo de formação é basicamente uma faixa de tecido que use dois tecidos, como se fosse uma cicatriz. Ela pode acontecer por diversos fatores, entre eles como uma reação a qualquer intervenção cirúrgica mal feita. E esse foi o caso da idosa chinesa.

No caso de Hubei, a má cicatrização ainda fez com que o corte abrisse e seu intestino fosse basicamente colocado para fora, sendo segurado apenas por essa aderência abdominal. A solução encontrada pela chinesa foi andar com um saco para segurar o órgão.

Uma cirurgia de reparação custaria mais dinheiro do que a idosa pode pagar e, por isso, não há horizonte muito positivo para que haja uma mudança de vida para ela. 

Fonte: 24h News

Print Friendly, PDF & Email

A dez dias de entregar o cargo, Obama fala em democracia, racismo e conquistas diplomáticas em seu discurso de despedida

Chicago (EUA) – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu nesta terça-feira que seu país é atualmente “um lugar melhor e mais forte” do que quando ele chegou ao poder em 2009, e atribuiu esses avanços aos esforços do povo americano que confiou em sua mensagem de esperança e mudança há oito anos.

“Vocês foram a mudança. Vocês responderam às esperanças do povo, e graças a vocês, em quase todas as medidas, os Estados Unidos são um lugar melhor e mais forte que quando começamos”, disse Obama, em seu último discurso como presidente, realizado diante de 20 mil pessoas em Chicago, cidade onde iniciou na política.

Obama, que deixará o cargo no próximo dia 20, reconheceu que o progresso durante sua presidência “não foi uniforme”, e que “às vezes parece que damos um passo atrás por cada dois passos adiante”, mas que seu país sempre se caracterizou por “andar para frente”.

O presidente americano disse que, se há oito anos tivesse prometido que o país “deixaria para trás uma grande recessão”, abriria “um novo capítulo com o povo cubano, encerraria o programa nuclear do Irã”, conseguiria a legalidade do casamento homoafetivo e reformaria o sistema de saúde, “teriam me falado que estaria sonhando demais”.

O primeiro presidente negro dos EUA reconheceu que, apesar do caráter histórico que representou sua eleição, o racismo segue vivo no país e fica com “mais trabalho por fazer” para eliminar os preconceitos contra as minorias e imigrantes.

“Depois da minha eleição, muito foi falado de um Estados Unidos pós-racial. Essa visão, embora bem intencionada, nunca foi realista. Porque o racismo continua sendo uma força potente e um fator de divisão em nossa sociedade”, admitiu Obama.

Faltando dez dias para que seu sucessor, Donald Trump, assuma o poder, Obama se comprometeu em garantir uma transferência de poder “pacífica”, para que o próximo governo “possa nos ajudar a enfrentar os muitos desafios que ainda teremos”.

Apesar das diferenças entre suas ideias e as de Trump, Obama afirmou se sentir “ainda mais otimista sobre o país” que quando assumiu o poder, porque sabe que seu governo não apenas “ajudou muitos americanos, mas também inspirou” muitos outros, especialmente aos jovens.

“O futuro está em boas mãos”, disse Obama, ao classificar a nova geração como “altruísta, criativa e patriótica” e pediu para todos cidadãos serem “guardiões” da democracia, não somente quando houver eleições, mas “durante toda a vida”.

Barack Obama terminou seu discurso com uma série de agradecimentos a sua família e sua equipe na Casa Branca, e prometeu seguir lutando por que acredita quando deixar o poder.

“Yes, we can. Yes, we did” (“Sim, nós podemos. Sim, nós fizemos”), encerrou o presidente.

Fonte: Exame.com

Print Friendly, PDF & Email
A anomalia se deve a um problema no desenvolvimento embrionário de gêmeos

Não se sabe o sexo do recém-nascido | Reprodução/YouTube(lared noticias juarez) –

Um bebê com duas cabeças nasceu na última sexta-feira (6/1) em Cuidade Juárez (estado de Chihuahua, México), segundo informou o Instituto de Seguro Social Mexicano (IMSS), citado pelo jornal “La Prensa“.

Um vídeo curto feito logo após o nascimento bicéfalo foi divulgado em redes sociais da web. Não foram divulgados a identidade dos pais e o nome do bebê.

O recém-nascido difere de gêmeos siameses tradicionais, que têm corpos distintos e órgãos geralmente independentes, mas unidos em algum ponto. Neste caso, mais incomum, só há um corpo.

A anomalia se deve a um problema no desenvolvimento embrionário de gêmeos, que acabaram sendo “fundidos”.

De acordo com o “Mirror“, as imagens postadas no YouTube foram liberadas por parentes do bebê, do sexo masculino.

Assista:

Fonte:

Page Not Found

Print Friendly, PDF & Email

A polícia identificou o condutor como um palestino do leste de Jerusalém e informou que ele foi morto a tiros

JERUSALÉM (Reuters) – Um caminhão avançou neste domingo sobre pedestres em uma movimentada avenida em Jerusalém, matando quatro pessoas e ferindo outras 15, de acordo com autoridades policiais e de resgate.

A polícia identificou o condutor como um palestino do leste de Jerusalém e informou que ele foi morto a tiros. O ataque tinha como alvo soldados israelenses que desembarcavam de um ônibus na área de Armon Hanatziv.

“É um ataque terrorista, um ataque de colisão“, disse uma porta-voz da polícia à Radio Israel. A polícia afirmou que os mortos, três mulheres e um homem, tinham todos cerca de 20 anos, mas não forneceu detalhes adicionais sobre as vítimas. Em Israel, as mortes de soldados são divulgadas somente depois que as famílias são notificadas.

Um motorista de ônibus que testemunhou o incidente afirmou na rádio que o caminhão se chocou contra um grupo de soldados, e que eles atiraram contra o motorista, que deu ré e passou por cima deles mais uma vez.

“Eles atiraram nele, até neutralizá-lo”, disse o motorista de ônibus, que se identificou apenas como Moshe. Emissoras israelenses informaram que o motorista foi morto, e imagens mostravam buracos de bala no para-brisa do caminhão.

Conforme canais de TV locais, ao menos quatro pessoas foram mortas e cerca de 15 feridos estavam espalhados pelas ruas de Armon Hanatziv, com vista para a Cidade Velha de Jerusalém.

Fonte: Exame.com

Print Friendly, PDF & Email